Desde a sua criação, em 1998, o ENEM tem o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da educação básica. E, por meio de cruzamentos de dados, o MEC usa os resultados para elaborar políticas públicas para a educação no país. Por isso, o exame avalia as competências de leitura e de escrita do estudante.

A redação é uma parte muito importante da prova do ENEM. Ela vale 1000 pontos e revela a capacidade do candidato de compreender, analisar e avaliar questões sociais, culturais, científicas e/ou políticas. E isso exige muita prática de leitura, reflexão e escrita.

A expectativa em relação ao tema que será cobrado costuma trazer muita ansiedade para o estudante. Mas ao invés de tentar adivinhar o tema da redação, que indica falta de preparo para o exame, é muito mais produtivo o aluno se preocupar em construir um repertório e ficar, de fato, preparado para qualquer tema que caia.

Nesse sentido, é essencial ter familiaridade com diferentes tipos de temas que poderão ser cobrados na prova de redação, tais como “a violência cíclica que o Brasil enfrenta”, “os desafios do envelhecimento da população”, “o combate à disseminação de notícias falsas”, “o avanço da bancada ruralista contra terras indígenas”, “a democratização do acesso à informação garante o desenvolvimento das pessoas?”.

E ter bom repertório é elemento-chave não só para o desenvolvimento de uma boa redação, mas também para a resolução de questões que exijam senso crítico e conhecimento da realidade.

Como conseguir bom repertório?

Isso é construído com a vivência. E cada pessoa pode ampliá-lo por meio de experiências que incluam leituras, filmes, documentários, viagens, relacionamentos… Enfim, tudo o que puder proporcionar novos conhecimentos e reflexões.

Na prova de redação do ENEM, o aluno terá que redigir um texto dissertativo-argumentativo, que é um tipo textual que exige a construção de um ponto de vista sobre o tema, a seleção de argumentos para defesa desse posicionamento, além de uma proposta de intervenção social.

Quem não tem repertório próprio não consegue ir além das ideias dos textos motivadores, não produz um texto com diferentes vozes (ou seja, sem citação de filósofos, sociólogos, historiadores…), pois não consegue dialogar com outras áreas do conhecimento.

Dessa maneira, o candidato deve ler principalmente reportagens, editoriais e artigos de opinião, pois são esses gêneros textuais que o ajudarão a ter acesso a diferentes pontos de vista sobre cada assunto, que é a base para a capacidade crítica. Assim, ler um artigo de opinião, todos os dias, é crucial. Não adianta ler uma revista quatro horas seguidas e tornar a ler dali a um mês. Isso não tem efeito prático para formar repertório.

Enfim, ter êxito na prova de redação requer leitura diária de temas atuais que propiciem reflexão sobre diferentes problemáticas, planejamento do texto, explicitando as técnicas de escrita do texto dissertativo-argumentativo, escrita semanal de um texto e melhoria dos aspectos frágeis do texto apontados pelo professor.

Tags: