Campeão no basquete do Metropolitano Escolar conta segredos do sucesso no esporte

Somente no último ano, a Escola Batista de Esportes (EBE) conquistou 43 títulos em campeonatos e torneios regionais e estaduais. Tantos resultados só foram possíveis graças ao trabalho realizado pela equipe técnica aliado ao empenho dos nossos atletas.

André Santos, jogador de basquete da EBE, sabe bem disso. Campeão da categoria sub-17 do Campeonato Metropolitano Escolar – Série Ouro no ano passado, ele iniciou no esporte aos 12 anos de idade. Desde então, ele conta que para o êxito tem dedicado horas e horas ao treino, sempre com muita disciplina e perseverança.

Também aluno da 3ª série do Ensino Médio do Colégio Batista Mineiro – Unidade Floresta, André ensina que outro segredo do sucesso é ter diligência. “O atleta precisa ter diligência tanto durante a execução quanto na preparação que antecede o trabalho. Ter objetivos definidos a curto e longo prazo também é importante, além de foco para cumprir esses objetivos”, afirma ele, que joga no basquete na posição de armador.

Equilíbrio

Além da EBE, André jogou por quatro anos no Olympico Club. “No ano passado, por exemplo, eu fazia inglês, treinava no Olympico e na EBE, fazia academia e ainda tocava bateria na igreja. Apesar de ter interrompido, nesse momento, os estudos do inglês e os treinos no Olympico, ainda tenho uma rotina apertada, porque este é o último ano na escola e, por isso, a carga horária de aula aumentou”, detalha.

Com uma agenda agitada como essa, segundo o jogador, manter o equilíbrio é fundamental. “Sempre tentei equilibrar a vida de atleta com a minha vida pessoal, de adolescente. O importante é a gente buscar fazer sempre o nosso melhor, tentar superar a nós mesmos, mas também respeitando nossos limites”, pondera.

Nesse sentido, a dica de ouro de André para quem também quer seguir a carreira como esportista é se divertir. “É preciso buscar estar preparado sempre, porque as oportunidades chegam e, quando isso acontecer, é necessário estar pronto para aproveitá-las. Mas, ao mesmo tempo, temos que divertir em relação a isso. Às vezes, vamos participar de uma grande competição e ficamos nervosos. Isso é natural. Mas precisamos nos lembrar que se divertir naquele momento é importante, porque ele passa rápido. O esporte precisa ser algo prazeroso”, finaliza o jogador.

Daniel Simões, coordenador da EBE, e André Santos, jogador de basquete
Tags: