Como incentivar o filho adolescente a ter uma alimentação saudável

Ao chegar à adolescência, os filhos ganham mais liberdade para escolher o que irão colocar no prato. Afinal, eles passam a comer mais fora de casa sem a companhia da família. E a verdade é que há uma parcela significativa de jovens que optam por consumir alimentos ultraprocessados, com muito açúcar e sódio, rejeitando assim a alimentação saudável.

Um estudo intitulado de “Erica” feito com 75 mil brasileiros entre 12 e 17 anos concluiu que apenas um a cada três adolescentes consumem salada. A pesquisa mostrou ainda que apenas um a cada cinco adolescentes comem uma fruta ao dia.

Você é pai ou mãe de um filho com esse perfil? Então, continue lendo este post! Hoje o assunto é como reverter essa situação para que a alimentação saudável na adolescência seja uma realidade em sua casa.

1. CONSCIENTIZE SEU FILHO SOBRE O ASSUNTO

É importante conscientizar o filho sobre como os alimentos são essenciais para a saúde do corpo. Afinal, uma alimentação desequilibrada pode ocasionar em obesidade e contribuir para o surgimento de doenças crônicas.

Além disso, pesquisas apontam que uma má alimentação afeta não só o físico, mas também a mente, podendo interferir até mesmo no desempenho escolar dos alunos.

Sendo assim, converse com seu filho sobre o assunto. Conscientizando-o, ele poderá acabar se unindo à família e adotando hábitos alimentares mais saudáveis.

2. SEJA O EXEMPLO

É importante entender que de nada adianta ter essa conversa sobre alimentação saudável se em casa os filhos não têm bons exemplos a seguir. Os filhos costumam ter os pais como referência e modelo a ser seguido.

Então, avalie como anda sua alimentação. Caso veja que também precisa mudar o cardápio, se empenhe nisso. Mostre em casa e nos momentos em que saírem juntos para comer fora que é possível manter uma dieta equilibrada. Nessas horas, lembre-se também de evidenciar que uma boa alimentação não é necessariamente ruim; pelo contrário, pode ser muito saborosa.

3. CONHEÇA OS GOSTOS DO SEU FILHO E DIALOGUE

Quando o filho rejeita consumir um alimento, é indicado avaliar se há algum desconforto físico. Às vezes, o filho está indisposto devido, por exemplo, a uma dor, um mal-estar ou uma febre.

Se não for este o caso, dialogue com o seu filho sobre os gostos alimentares que ele possui. Busque ter um bom relacionamento com ele, e juntos busquem por alternativas mais saudáveis para compor o prato.

4. FAÇA MUDANÇAS GRADUAIS

É importante, contudo, que as mudanças sejam graduais. Cortar tudo que seu filho gosta de comer não é uma boa saída, pois pode gerar ainda mais rejeição por parte dele. Por isso, em casa, dê opções mais saudáveis aos poucos.

Em um dia faça, por exemplo, um suco natural ao invés de oferecer refrigerantes ou bebidas com muitos açúcares. Em outro dia, inclua legumes e salada no cardápio do almoço e assim por diante.

5. DEIXE QUE SEU FILHO PARTICIPE DOS PREPAROS

Uma estratégia que ajuda também é deixar que o filho participe dos preparos das refeições em casa. Dessa forma, ele se sentirá mais responsável pelo processo de mudança alimentar.

Além disso, o adolescente poderá gostar de fazer os preparativos, tomando gosto por um cardápio mais saudável.

O QUE INCLUIR NO CARDÁPIO

Agora que você já sabe como ajudar seu filho a mudar os hábitos alimentares, está na hora de entender quais alimentos ele precisará mais nessa fase da adolescência.

A adolescência é uma fase de transição que requer muita energia. Isso porque é um período caracterizado por um crescimento acelerado tanto em relação ao corpo quanto à mente. Afinal, os filhos estão se desenvolvendo para logo se tornarem em adultos.

Sendo assim, é preciso que seu filho tenha acesso a um cardápio variado e rico em nutrientes. Para isso, montamos uma lista de alimentos para incluir na dieta que são fáceis de encontrar. Confira!

PROTEÍNAS

As proteínas, entre outras coisas, atuam na defesa do organismo e ajudam no crescimento. Por isso, é superimportante para o organismo dos adolescentes.

Elas podem ser encontradas em alimentos como: carnes, ovos, queijo, requeijão, iogurte, leite fermentado, entre outras bebidas lácteas.

CARBOIDRATOS                                                                               

Sim! Uma alimentação equilibrada exige o consumo de carboidratos. Afinal, eles representam a principal fonte de energia para o corpo – coisa que os adolescentes precisam bastante!

Por isso, a sugestão é que as refeições tenham alimentos como: mel, frutas secas, pães e biscoitos integrais, cereais em barra, entre outros.

LIPÍDEOS

Os lipídeos também são fontes de energia, além de transportarem as vitaminas A, D, E, K e manterem a temperatura do corpo.

Castanhas, manteiga (com moderação) e queijo são ótimos alimentos nos quais há esse nutriente!

VITAMINAS E SAIS MINERAIS

As vitaminas e sais minerais participam de todos os processos metabólicos do corpo e previnem deficiências nutricionais como anemia.

Entre os alimentos que possuem esses nutrientes estão frutas de todos os tipos, sementes e castanhas, frutas secas, hortaliças de coloração alaranjada (abóbora, cenoura, pimentão amarelo) e verde-escura (acelga, agrião, almeirão, couve, pimentão verde, espinafre e rúcula), entre outros.

FIBRAS

As fibras auxiliam no funcionamento intestinal e ajudam no controle da absorção de gorduras e açúcares.

As fibras podem ser encontradas em alimentos como pães, biscoitos e cereais integrais, frutas frescas e sucos naturais não coados.

ÁGUA

A água hidratada o corpo e é importante nos processos da respiração, circulação, absorção e excreção.

Há diversas formas de ingeri-la, como em água mineral, água de coco, chás naturais e sucos naturais (de preferência, sem adição de açúcar, corantes e outros aditivos químicos intencionais).

Gostou do nosso conteúdo sobre alimentação saudável para os adolescentes? Então, conheça nosso Programa de Acompanhamento Nutricional, por meio do qual os alunos e famílias são orientados também sobre como manter uma dieta equilibrada!

Tags: