Recentemente, participamos de uma pesquisa aqui no Colégio que apontou a família como aspecto mais importante na escolha da profissão. Isso é algo muito prático: por exemplo, numa família de advogados, com um escritório já montado, a tendência ao curso de direito é naturalmente compreensível.

Mas a segunda influência mais importante que um jovem recebe, é da escola, por várias razões: o acesso a profissionais de diversas áreas, o desenvolvimento de habilidades requeridas no mercado de trabalho atual, a curiosidade sobre as competências necessárias para o desempenho da profissão escolhida, dentre outras situações.

Nesse sentido, essa formação que o estudante vai construindo na escola é que o permite fazer escolhas.

Logo, quanto mais consistente for o ensino acadêmico, mais apto ele estará para sonhar e planejar seu futuro e, por outro lado, se o leque de conhecimento de mundo for mais restrito, sonhará de forma mais restrita também.

Essa construção de autonomia que acontece na escola, permitirá ao estudante projetar um futuro profissional em um horizonte mais aberto.

Nós sabemos como a figura do mestre é referência na vida de muitos estudantes, por isso o professor deve ter um cuidado constante com o que ele fala, publica, comenta ou até mesmo a forma como age, influencia, contagia, gera reflexão…

Existem vários aspectos importantes nesta influência da escola mas eu quero ressaltar aqui pelo menos quatro:

  1. As possibilidades que a escola oferece de conhecer e dialogar com diversos profissionais;
  2. O exemplo transmitido no dia a dia, no caminhar juntos;
  3. O desenvolvimento de habilidades que fazem o estudante perceber suas tendências;
  4. O cuidado com a autoestima e a visão de que a vida profissional é um projeto de médio prazo, já que podem ajudar o estudante a projetar um futuro próximo a seus potenciais;

Isso fica muito claro nos anos finais da formação escolar de um estudante:

Onde ele vai aprender trabalhar em equipe? Qual é o lugar onde ele vai ter mais oportunidades de exercitar seu raciocínio lógico? De elaborar estratégias de “resolução de conflitos”? De fazer perguntas assertivas? É na escola!

Vale lembrar que, é também na escola o lugar em que se desenvolve a inteligência emocional, extremamente requerida no mercado profissional.

Portanto, fica evidente o papel relevante da escola na vida pessoal e profissional do docente: pode ampliar esse “leque” de possibilidades no mundo profissional e facilitar os primeiros passos nesse novo horizonte, trabalhando habilidades e competências de forma eficiente.

Luciene Toledo
Coordenadora Pedagógica – Colégio Batista Mineiro (Unidade BH Buritis)

Tags: